Logomarca - Tax Contabilidade

Faça aqui uma busca em nosso Site:

Crédito fiscal: Documentação técnica - PN Cosit nº 2/2014

Resumo:

Estamos publicando nesta matéria, a íntegra do Parecer Normativo Cosit nº 2/2014 que nos traz importantes considerações sobre a possibilidade dos estabelecimentos industriais se creditarem do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre a aquisição ou fabricação de documentação técnica para acompanhamento dos produtos que comercializam, quando o mesmo destinar a instruir a instalação, utilização ou consumo destes produtos.

1) Introdução:

A Coordenação-Geral de Tributação (Cosit) da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) publicou, em 25/03/2014, o Parecer Normativo Cosit nº 2/2014 (DOU 26/03/2014) que nos traz importantes considerações sobre a possibilidade dos estabelecimentos industriais se creditarem do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre a aquisição ou fabricação de documentação técnica para acompanhamento dos produtos que comercializam, quando o mesmo destinar a instruir a instalação, utilização ou consumo destes produtos.

De acordo com o mencionado Parecer, entende-se como documentação técnica aquela que efetivamente acompanha, em quantidade apropriada, o produto final, e é constituída de instruções impressas ou gravadas em mídias eletrônicas, cuja importância é esclarecer a correta utilização do produto. É o conjunto de informações sobre os comportamentos específicos a serem adotados pelos usuários, incluindo-se aí instruções de instalação, layouts, manuais de operação/utilização, descrições técnicas, bulas, recomendações, advertências sobre cuidados especiais, instruções para usos alternativos, termos de garantia, enfim, toda a sorte de informações indispensáveis ao seu pleno e melhor uso.

Por fim, registramos que o Parecer Normativo Cosit nº 2/2014 atualizou e consolidou as disposições contidas no Parecer Normativo CST nº 218/1972 e Parecer Normativo CST nº 68/1973, que, embora tenham vigorado até a 25/03/2014, já estavam desatualizados frente aos novos entendimentos administrativos baseados na legislação atualmente em vigor.

Feito essas breves considerações, estamos publicando no próximo capítulo o citado Parecer Normativo Cosit nº 2/2014 para que nossos leitores possam ler, analisar e checar se suas operações estão condizentes com o entendimento administrativo atualmente em vigor.

Base Legal: PN CST nº 218/1972 - Revogado; PN CST nº 68/1973 - Revogado e; PN Cosit nº 2/2014 (Checado pela Tax Contabilidade em 07/08/17).
Reintegra

2) Parecer Normativo:

Publicamos abaixo, na íntegra, o Parecer Normativo Cosit nº 2/2014 para que nossos leitores possam analisar e checar se suas operações estão condizentes com o entendimento administrativo atual:

PARECER NORMATIVO COSIT Nº 2, DE 25 DE MARÇO DE 2014

(Publicado(a) no DOU de 26/03/2014, seção 1, pág. 57)


Imposto Sobre Produtos Industrializados - IPI.

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA QUE ACOMPANHA O PRODUTO. CREDITAMENTO. POSSIBILIDADE.

O estabelecimento industrial poderá creditar-se do imposto relativo à documentação técnica que acompanha o produto, quando destinada a instruir a sua instalação, utilização ou consumo, tanto a adquirida de terceiros quanto a de fabricação própria, no que se refere aos insumos nela utilizados. Sendo fornecidas em conjunto com o produto, compõe o seu custo o valor tributável.

Dispositivos Legais: Lei nº 4.502, de 30 de novembro de 1964, art. 25 e § 1º, e Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010 (Ripi/2010), arts. 190, II, e 226, I.


Relatório

Cuida-se da atualização e consolidação dos Pareceres Normativos CST nº 218, de 1972, e nº 68, de 1973, que, embora tenham vigorado até a presente data, fazem referência a legislação já modificada ou revogada. O presente Parecer Normativo abordará somente os trechos dos Pareceres citados que ainda estão em vigor.

2. Analisa-se a tributação e a possibilidade de creditamento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na aquisição de terceiros ou na fabricação própria - no que se refere aos insumos nela utilizados - da documentação técnica que acompanha o produto final.

Fundamentos

3. Seja em virtude da variedade de pormenores técnicos, seja pela complexidade e/ou singularidade da sua instalação ou operação, seja em razão dos cuidados especiais no seu consumo, muitas vezes os fabricantes se vêem obrigados a fornecer os seus produtos acompanhados de documentação técnica, indispensável à sua adequada utilização.

4. Entenda-se como "documentação técnica" aquela que efetivamente acompanha, em quantidade apropriada, o produto final, e é constituída de instruções impressas ou gravadas em mídias eletrônicas, cuja importância é esclarecer a correta utilização do produto. É o conjunto de informações sobre os comportamentos específicos a serem adotados pelos usuários, incluindo-se aí instruções de instalação, layouts, manuais de operação/utilização, descrições técnicas, bulas, recomendações, advertências sobre cuidados especiais, instruções para usos alternativos, termos de garantia - enfim, toda a sorte de informações indispensáveis ao seu pleno e melhor uso.

5. Analisa-se a incidência do IPI sobre esta documentação técnica, bem como sobre a legitimidade do crédito do imposto relativo à sua aquisição de terceiros ou às aquisições de matérias-primas e produtos intermediários para a sua confecção no próprio estabelecimento industrial do produto que ela acompanha.

6. Fornecida com o produto, o custo da documentação comporá o seu valor tributável, pois, se integrante do produto final, não há como dissociá-la do valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento industrial, que é base de cálculo do imposto, conforme dispõe o art. 190, II, do Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010, Regulamento do IPI (Ripi/2010).

7. Será diverso, todavia, o tratamento a se dispensar quando vendida separadamente do produto final, pois, sendo objeto de outra operação, terá valor tributável próprio e também classificação e alíquota próprias na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (Tipi).

8. No que se refere à não-cumulatividade, a legislação complementar, assim como a ordinária e suas normas regulamentares, oferecem a necessária nitidez na sua aplicação a casos concretos. Uma das características que o princípio constitucional assume na legislação vigente é a de que o seu mais importante instrumento, ou seja, o direito de crédito, somente pode ser exercido quando os itens adquiridos guardarem íntima relação com o processo industrial, quer se incorporem ao novo produto, quer se consumam no processo de fabricação.

9. O art. 25 e seu § 1º da Lei nº 4.502, de 30 de novembro de 1964, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 1.136, de 07 de dezembro de 1970, estabelecem o seguinte:

"Art. 25. A importância a recolher será o montante do imposto relativo aos produtos saídos do estabelecimento, em cada mês, diminuído do montante do imposto relativo aos produtos nele entrados, no mesmo período, obedecidas as especificações e normas que o regulamento estabelecer.

§ 1º O direito de dedução só é aplicável aos casos em que os produtos entrados se destinem à comercialização, industrialização ou acondicionamento e desde que os mesmos produtos ou os que resultarem do processo industrial sejam tributados na saída do estabelecimento".

10. Observe-se que a lei conferiu ao Executivo o poder de estabelecer, através do Regulamento, especificações e normas relativas ao exercício do direito de dedução.

11. Nos termos do art. 226, I, do Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010, Regulamento do Imposto sobre Produtos Industrializados (Ripi/2010), os estabelecimentos industriais poderão creditarse do imposto relativo a matéria-prima, produto intermediário e material de embalagem, adquiridos para emprego na industrialização de produtos tributados, incluindo-se, entre as matérias-primas e os produtos intermediários, aqueles que, embora não se integrando ao novo produto, forem consumidos no processo de industrialização, salvo se compreendidos entre os bens do ativo imobilizado.

12. Fica claro, então, que, com exceção das matérias-primas e produtos intermediários que se consomem no processo de industrialização, nesse conceito incluem-se somente aqueles que se integrarem ao produto final.

13. Assim, se a documentação contiver explicações indispensáveis à utilização do produto não há como se negar o direito ao crédito, visto aí se configurar a vinculação com o processo de fabricação, pois o novo produto só terá existência, só surgirá como um bem utilizável, se acompanhado daquelas instruções.

14. Noutro giro, o estabelecimento industrial não terá direito ao crédito do imposto pago na aquisição de folhetos explicativos que contenham exclusivamente matéria promocional (propaganda), os quais faça juntar aos produtos de sua fabricação, isto porque tais folhetos não oferecem aquela associação com o processo industrial, bastando lembrar que, não constituindo eles matéria-prima, produtos intermediários ou material de embalagem, não se incorporam ao novo produto nem se consomem no processo de industrialização, inexistindo, em conseqüência, os requisitos básicos para garantir o direito ao crédito.

Conclusão

15. O estabelecimento industrial poderá creditar-se do imposto relativo à documentação técnica que acompanha o produto, quando destinada a instruir a sua instalação, operação, utilização ou consumo, tanto a adquirida de terceiros quanto a de fabricação própria, no que se refere aos insumos nela utilizados. Sendo fornecidas em conjunto com o produto, compõe o seu custo o valor tributável.

16. Ficam revogados os Pareceres Normativos CST nº 218, de 1972, e nº 68, de 1973.


À consideração do Coordenador do GT-IPI.

CLAUDIO LOSSE

Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

(AFRFB)

Portaria RFB nº 712, de 06 de junho de 2013

De acordo. À consideração do Coordenador da Cosit.

MARCOS VINICIOS C. L. TAPAJÓS

AFRFB - Coordenador-Substituto do GT-IPI

Portaria RFB nº 712, de 06 de junho de 2013

De acordo. Encaminhe-se ao Subsecretário de Tributação e Contencioso (Sutri), com proposta de encaminhamento ao Secretário da Receita Federal do Brasil, para aprovação.

CLÁUDIA LÚCIA PIMENTEL MARTINS DA SILVA

AFRFB - Coordenadora-Geral da Cosit Substituta

De acordo. Encaminhe-se ao Secretário da Receita Federal do Brasil, para aprovação.

FERNANDO MOMBELLI

Subsecretário de Tributação e Contencioso

Substituto

Aprovo o presente Parecer Normativo. Publique-se no Diário Oficial da União.

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO

Secretário da Receita Federal do Brasil

Base Legal: PN Cosit nº 2/2014 (Checado pela Tax Contabilidade em 07/08/17).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia 07/08/2017 pela Equipe Técnica da Tax Contabilidade e está atualizado até a legislação vigente em 07/08/2017 (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações legais.

Não é permitido a utilização dos materiais publicados pela Tax Contabilidade para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Tax Contabilidade para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Tax Contabilidade.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida desde que indicada a fonte:

Para ler nossas publicações e artigos no formato PDF é necessário ter instalado o Adobe Reader. Baixe agora mesmo clicando no link Get Adobe Reader:

Get Adobe Reader

Voltar Home Page Fale Conosco Gerar PDF